Publicado em O que nos liga ao mundo

O que nos liga ao mundo/escola?

Ap√≥s verificarem os aspetos a melhorar nos espa√ßos escolares, chegou a altura de os alunos proporem solu√ß√Ķes e apresentarem propostas para tornar a escola num lugar onde apete√ßa estar ainda mais.

Os grupos reuniram, pensaram, discutiram e das muitas cabeças saíram muitas sentenças. E que fantásticas ideias e propostas eles apresentaram!

Temos de concluir que, com esta actividade, os alunos manifestaram autonomia pessoal, desenvolveram ideias e projetos, com imagina√ß√£o e criatividade, interagiram com toler√Ęncia e, ao mesmo tempo, argumentaram e fundamentaram as suas propostas perante os restantes grupos de trabalho.

√Č assim que se aprende a ser consciente do mundo que nos rodeia, reconhecendo a import√Ęncia do trabalho colaborativo e aprendendo a questionar criticamente a realidade envolvente.

Assim, nos vamos ‚Äúligando ao mundo‚Ä̂Ķ

Aqui ficam algumas imagens das propostas apresentadas.



An√ļncios
Publicado em O que nos liga ao mundo

O QUE NOS LIGA AO MUNDO?

Duas das respostas dos alunos a esta pergunta foram: a escola e os espa√ßos. Assim, foi proposto aos grupos de trabalho que dessem uma volta pelo espa√ßo escolar, lugar onde passam a maior parte do seu tempo semanal, e olhando √† sua volta, descobrissem situa√ß√Ķes a necessitar de melhoria ou eventuais falhas, desenvolvendo a compet√™ncia de indagador/investigador.

Na aula seguinte os grupos comunicaram oralmente aos restantes grupos as suas conclus√Ķes que puderam ser agrupadas em 5 temas mais gerais: problemas relacionados com recolha e tratamento de lixo; problemas relativos a quest√Ķes de higiene; quest√Ķes relacionadas com a jardinagem de espa√ßos exteriores; falta de decora√ß√£o para embelezamento dos espa√ßos; problemas gerais relacionados com a melhoria de espa√ßos espec√≠ficos na escola.

Foi um bom trabalho de observação, de análise e colaboração dos elementos dos grupos, seguida de boa apresentação, desenvolvendo a competência de comunicação através da exposição das ideias.

Publicado em vegetação Natural

A Vegeta√ß√£o Natural da minha regi√£o – S√°t√£o

Nas aulas de Hist√≥ria e Geografia de Portugal, integrado no curr√≠culo da disciplina e, em articula√ß√£o com o tema proposto para o primeiro per√≠odo no Dom√≠nio de Articula√ß√£o Curricular, ‚ÄúO que nos liga ao mundo‚ÄĚ, os alunos refletiram sobre a vegeta√ß√£o natural e as amea√ßas do mundo atual. Dessa reflex√£o individual, aqui ficam alguns registos para partilha com a comunidade.

 

A vegetação natural são as plantas que nascem e crescem sem a intervenção do homem.  Na minha zona são: os pinheiros, os carvalhos, os tojos, as carquejas…

Eu como gosto da natureza tento preservá-la o máximo possível e  é por isso que eu não faço queimadas, não deito lixo para o chão, não uso químicos, rego as plantas, uso adubo biológico(estrume), em vez de adubo químico e faço reciclagem.

Eu acho que todos devem seguir o meu exemplo.

Trabalho realizado por: Isaac, 5¬ļ A

 

Espécies de vegetação natural da nossa região

Carvalho

Uma das espécies que ocupam a floresta no concelho de Sátão é o carvalho. O carvalho Quercus, é um gigante da floresta que pode viver entre 500 2000 anos. Existem dois tipos de carvalho: um de folha caduca e um de folha persistente. A madeira é dura e ao mesmo tempo maleável, sendo muito apreciada na carpintaria. O fruto do carvalho chama-se bolota, ou landes, e em seu tronco é comum a formação de bugalhos.

Ameaças ao carvalho

Phytophthora cinnamomi Rands: Afeta as ra√≠zes do carvalho. Os primeiros sintomas centram-se na parte a√©rea, uma zona na qual se observam folhas clor√≥ticas, de menor tamanho, que caem antes do outono. Quando o fungo invade mais partes, aparecem ramos mortos e as ra√≠zes apodrecem. Na √ļltima fase, o fungo provoca o desprendimento da casca da √°rvore

Castanheiros

O castanheiro √© tamb√©m predominante no territ√≥rio de S√°t√£o. √Č uma√°rvore de grande porte muito abundante no interior centro e norte de Portugal local onde se encontra o concelho de S√°t√£o. O seu fruto √© a castanha, fruto muito apreciado na √©poca dos magustos. O castanheiro produz tamb√©m madeira de excelente qualidade, o castanho, muito usada no passado na constru√ß√£o em Portugal, nomeadamente na regi√£o norte do pa√≠s. √Č ainda hoje muito utilizada em mob√≠lia e decora√ß√£o interior.

Ameaças ao castanheiro

O fungo afeta o sistema radicular, limitando ou impedindo gradualmente a circulação da seiva. Os sintomas manifestam-se inicialmente na parte superior da copa, a partir da extremidade dos ramos onde se observam cloroses e emurchecimento das folhas. Como medidas preventivas recomenda-se:

  • ¬†Melhorar o estado nutricional dos soutos ;
  • ¬†Evitar danos e cortes de ra√≠zes;
  • Utilizar equipamento adequado;
  • Plantar em terrenos com boa drenagem;
  • ¬†Evitar a utiliza√ß√£o de material vegetativo infetado e de origem desconhecida;
  • Proceder √† ¬†desinfe√ß√£o pr√©via dos instrumentos agr√≠colas.

Pinheiro-Bravo

Outra esp√©cie que existe em abund√Ęncia no espa√ßo florestal de S√°t√£o √© o pinheiro-bravo.
O pinheiro-bravo √© uma esp√©cie de pinheiro origin√°ria do Velho Mundo, mais precisamente da regi√£o da Europa e Mediterr√Ęneo. Na serra do Seixo e a serra do Facho, que se encontram muito pr√≥ximos da vila de S√°t√£o, a √°rvore predominante √© o pinheiro-bravo.

Ameaças ao pinheiro-bravo

Nem√°todo da madeira do pinheiro.
O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP), cujo nome científico é Bursaphelenchus xylophilus, é um verme microscópico causador da doença da murchidão dos pinheiros.

Ameaças às espécies de árvores da nossa região

Outras ameaças a todas estas árvores são as plantas invasoras (como por exemplo os eucaliptos e as mimosas) e os incêndios.

 

 

 

 

Eucaliptos                                                   Incêndio                               Mimosas

Trabalho realizado por: Maria, 5¬ļA

 

A vegeta√ß√£o √© um termo geral para a vida vegetal de uma regi√£o. Refere-se √†s formas de vida que cobrem os solos. √Č o conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram em qualquer √°rea terrestre. A riqueza da vegeta√ß√£o deve-se √† diversidade de ecossistemas. Na nossa regi√£o encontramos sobretudo os carvalhos e castanheiros. Viseu tem sido apropriadamente chamada de cidade do verde pinho, por estar rodeada de muitos pinheiros.

Hoje em dia as espécies invasoras exóticas como eucaliptos e as mimosas são mais abundantes. Subsistem, no entanto, extensas manchas de vegetação autóctone, especialmente soutos de castanheiros e carvalho negral.

Podemos proteger a vegetação plantando novas árvores, não poluindo o ambiente, economizando água e energia elétrica, reciclando o lixo, entre outras atitudes e comportamentos.

Devemos proteger a vegetação porque é importante para o solo, para a alimentação de animais e ainda é moradia para diferentes espécies.

Trabalho realizado por: Martim, 5¬ļA

 

A vegeta√ß√£o natural √© aquela que nasce e cresce sem a interven√ß√£o do Homem, ou seja, em ser plantada ou semeada. Na Pen√≠nsula Ib√©rica existem v√°rios tipos de clima, cada um com o seu tipo de vegeta√ß√£o. No litoral norte (clima temperado mar√≠timo) predomina a floresta de folha caduca: castanheiro, faia, salgueiro,…

No centro ou interior (clima temperado continental) encontramos a vegetação rasteira e arbustos.

No litoral centro e sul (clima temperado mediterr√Ęneo) h√° √°rvores de folha persistente tais como a azinheira, o sobreiro, o pinheiro manso…

Para preservar a vegetação natural e para evitar problemas devemos:

  • ¬†N√£o deitar lixo para o ch√£o;
  • ¬†Plantar novas √°rvores;
  • -N√£o fazer fogueiras ou queimadas;
  • ¬†Ligar para o 117 em caso de inc√™ndio.

Por tudo o que atrás foi dito, organiza-te e prepara-te para começares a limpar a floresta!

Trabalho realizado por: Maria, 5¬ļ B

 

A vegetação natural é aquela que cresce sem a ajuda do Homem, ou seja, que não foi introduzida ou cultivada.

Em Portugal temos por exemplo o castanheiro e o salgueiro que predominam mais na zona norte, o pinheiro manso, a azinheira e o sobreiro que predominam mais a sul e sudeste e a vegetação rasteira e os arbustos mais comuns no interior.

Hoje em dia h√° pouca vegeta√ß√£o natural porque o Homem tem-na destru√≠do para fazer casas, estradas, zonas industriais…por isso, para que a vegeta√ß√£o natural n√£o acabe, devemos ter alguns cuidados como por exemplo: n√£o atirar o lixo n√£o degrad√°vel para o solo,¬† n√£o fazer fogueiras na natureza, n√£o desperdi√ßar √°gua, n√£o abater √°rvores ou florestas em situa√ß√Ķes desnecess√°rias.

Trabalho realizado por: Mafalda, 5¬ļB