Publicado em O que nos liga ao mundo

Depois de Reutilizar… Reciclar

¬† ¬† ¬† ¬† ¬† ¬† Terminada a √©poca natal√≠cia √© tempo de retirar os enfeites, separar o lixo e coloc√°-lo no respetivo local de recolha, num ecoponto perto da escola.¬† Os alunos verificaram as cores diferentes dos ecopontos conforme o tipo de lixo e foi no ecoponto amarelo que depositaram os pl√°sticos coloridos, utilizados para revestir as bolas de Natal, j√° desgastadas pelo tempo. Estas voltaram a ser guardadas. Quem sabe n√£o encontraremos outra oportunidade para lhes dar uso. J√° diziam os antigos: ‚Äúguarda o que n√£o presta e encontrar√°s o que precisas‚ÄĚ.

An√ļncios
Publicado em Natal

Reciclagem Natalícia

No dia cinco, quarta-feira, os alunos do 5¬ļ A e B e os docentes que constituem a Equipa Pedag√≥gica levaram a efeito mais uma das atividades previstas para este per√≠odo, no √Ęmbito das DAC.

Na semana anterior, juntaram os materiais: bolas em mau estado, sacos de plástico colorido, latas de alimentos já consumidos…e reinventaram elementos decorativos com que enfeitaram algumas das árvores existentes na entrada da nossa escola.

Com os materiais j√° usados preparou-se uma nova indument√°ria para as nossas √°rvores que se encontram praticamente despidas.

Foi com esta nota de cor que alindámos este pequeno espaço, para lembrarmos a época que se avizinha, o Natal.

Partilhamos convosco a conclus√£o de mais este pequeno passo no ‚Äúcuidar da nossa casa‚ÄĚ, ligando-nos ao mundo que nos acolhe diariamente: a nossa escola.

Se quiserem saber de outras atividades desenvolvidas ao longo do período, consultem o nosso blogue em  https://ligadosaomundo.wordpress.com

 

A Equipa Pedag√≥gica e os alunos do 5¬ļ A e B, da Escola B√°sica Ferreira Lapa, ¬†desejam a todos um Feliz Natal e um pr√≥spero 2019.

Publicado em Cidadania e Desenvolvimento

A Educa√ß√£o Ambiental na Cidadania e Desenvolvimento

Ao longo deste per√≠odo, em Cidadania e Desenvolvimento, os alunos das turmas A e B do 5¬ļ ano de escolaridade, trataram o tema da Educa√ß√£o Ambiental. Este trabalho foi inserido no projeto interdisciplinar da turma de articula√ß√£o curricular ‚ÄúO que nos liga ao mundo‚ÄĚ. Depois de refletirem sobre v√°rios assuntos relacionados com a prote√ß√£o do meio ambiente e a preserva√ß√£o do patrim√≥nio natural, os alunos elaboraram trabalhos que apresentaram aos restantes colegas e que podem ser consultados a seguir.

Publicado em O que nos liga ao mundo

O que nos liga ao Mundo – Sa√≠da de campo

No √Ęmbito do Projeto: ‚ÄúO que nos liga ao mundo‚ÄĚ, os professores das v√°rias disciplinas que constituem a equipa pedag√≥gica das turmas A e B do 5¬ļ ano planificaram uma atividade, que tinha como objectivo principal levar os alunos a olhar, de uma forma diferente, uma parte do mundo que os rodeia.

Al√©m disso, tentou-se articular os saberes das v√°rias disciplinas, levar os alunos a interagir uns com os outros, trabalhando individualmente numas tarefas e em equipa noutras, levar os alunos a conhecerem melhor os espa√ßos naturais (a mata), que temos ao lado da nossa escola e, por fim, levar os alunos a refletirem sobre o quanto estamos a prejudicar esses mesmos espa√ßos e o que √© que poderemos fazer para deixar o mundo em que vivemos ‚Äúum pouco melhor‚ÄĚ.

Cada passo que vamos dando serve para nos ligarmos um pouco mais ao mundo…

Apresentamos algumas imagens e¬†divulgamos os textos escolhidos de entre os que foram elaborados, em pares nas aulas de Portugu√™s, pelos alunos das turmas A e B do 5¬ļ ano.

 

A nossa aula de campo

A nossa aula de campo foi na quinta-feira, à tarde, dia 15 de Novembro.

Antes de sairmos da Escola Básica Ferreira Lapa, parámos para os professores nos explicarem o que tínhamos de fazer e para nos darem uma ficha/roteiro com exercícios propostos por todas as disciplinas e a que devíamos dar resposta, individualmente e em grupo.

Depois, fomos todos explorar a mata. A mata era pequena, mas muito bonita. Pudemos verificar que havia vários tipos de árvores e alguns arbustos: carvalhos, pinheiros, castanheiros, eucaliptos, mimosas, …

Pediram-nos que recolhêssemos dez tipos de folhas diferentes e nós conseguimos encontrar folhas de forma oval, pontiagudas, de cor vermelha, amarela, laranja e castanha.

Nessa mata, infelizmente, também havia muita poluição. Espalhados pelo terreno observámos: cabides, colheres, pilhas, plásticos, garrafas de vidro, rolhas, pedaços de tecidos, entre outros.

Na ficha os professores pediam para medirmos a √°rea e o per√≠metro do terreno, que j√° tinha sido delimitado com umas estacas por um dos professores, por isso peg√°mos nas fitas m√©tricas e, em grupo, l√° fizemos as medi√ß√Ķes.

Desenhámos o que nos chamou mais a atenção naquele sítio, corremos ao ar livre, conversámos com os nossos colegas e, no final, apanhámos o lixo que havia na mata e esta ficou mais limpa!

A minha parte favorita foi quando medimos o perímetro e calculámos a área, mas foi uma tarde muito divertida e uma experiência enriquecedora!

 

Anais, n¬ļ 1¬† e Maria Carvalho, n¬ļ 10 ‚Äď 5¬ļ B

 

A aventura na mata

No dia quinze de novembro de 2018, as turmas do 5¬ļA e 5¬ļB foram fazer uma sa√≠da de campo, √† tarde, para uma mata perto da nossa escola.

Quando chegámos ao local deram-nos uma ficha, para preenchermos. A ficha continha várias atividades, como por exemplo: representar as várias árvores que encontrámos na mata, escrever os nomes das árvores lá encontradas, apanhar o lixo aí presente, medir a mata e dizer como estava o tempo e o que sentimos quando lá chegámos.

Divertimo-nos muito, todos juntos, achamos que foi uma atividade que se deve repetir mais vezes, porque nós tomamos consciência de que devemos proteger o planeta terra.

Pensamos que todos os professores e em todas as escolas deviam fazer isso com os seus alunos, porque estas atividades nos fazem reflectir sobre como cuidar melhor do planeta para não ser destruído.

Matias Oliveira 5¬ļA

Rafaela Amaral 5¬ļA

 

Uma aventura na mata

No passado dia 15 de novembro de 2018 fizemos uma saída de campo e preenchemos uma ficha onde enumerámos as árvores, medimos a mata e fomos apanhar o lixo, que lá encontrámos, para reciclar.

Esta atividade realizou-se em conjunto com a turma do 5¬ļB, no √Ęmbito do projeto que se est√° a desenvolver em DAC (Dom√≠nio da Autonomia Curricular. O tema escolhido para o projeto √© ‚ÄúO que nos liga ao mundo‚ÄĚ.

Na mata encontrámos árvores como o eucalipto, o castanheiro, o carvalho, o pinheiro, a mimosa, etc. Identificamos as folhas destas árvores e de outras plantas lá presentes com o auxílio de uma lupa. As professoras e os professores emprestaram-nos fitas métricas e, em conjunto, os elementos de cada grupo mediram a área e o perímetro da mata.

Já quase a terminar apanhámos o lixo presente na mata e depois de todos os grupos descobrirem o lixo que conseguiram, reunimo-nos e separámos o lixo de todos os grupos em sacos diferentes, que trouxemos para a escola. Posteriormente,  os professores foram depositar esses lixos nos respetivos ecopontos de reciclagem.

Esta atividade ajudou o ambiente, ajudou a que nos lig√°ssemos ainda mais ao mundo, foi muito divertida e educativa.

 

Maria Gomes, n¬ļ 10, 5¬ļ A¬†¬† e Martim, n¬ļ 12, 5¬ļ A

 

Publicado em O que nos liga ao mundo

O que nos liga ao mundo/escola?

Ap√≥s verificarem os aspetos a melhorar nos espa√ßos escolares, chegou a altura de os alunos proporem solu√ß√Ķes e apresentarem propostas para tornar a escola num lugar onde apete√ßa estar ainda mais.

Os grupos reuniram, pensaram, discutiram e das muitas cabeças saíram muitas sentenças. E que fantásticas ideias e propostas eles apresentaram!

Temos de concluir que, com esta actividade, os alunos manifestaram autonomia pessoal, desenvolveram ideias e projetos, com imagina√ß√£o e criatividade, interagiram com toler√Ęncia e, ao mesmo tempo, argumentaram e fundamentaram as suas propostas perante os restantes grupos de trabalho.

√Č assim que se aprende a ser consciente do mundo que nos rodeia, reconhecendo a import√Ęncia do trabalho colaborativo e aprendendo a questionar criticamente a realidade envolvente.

Assim, nos vamos ‚Äúligando ao mundo‚Ä̂Ķ

Aqui ficam algumas imagens das propostas apresentadas.



Publicado em O que nos liga ao mundo

O QUE NOS LIGA AO MUNDO?

Duas das respostas dos alunos a esta pergunta foram: a escola e os espa√ßos. Assim, foi proposto aos grupos de trabalho que dessem uma volta pelo espa√ßo escolar, lugar onde passam a maior parte do seu tempo semanal, e olhando √† sua volta, descobrissem situa√ß√Ķes a necessitar de melhoria ou eventuais falhas, desenvolvendo a compet√™ncia de indagador/investigador.

Na aula seguinte os grupos comunicaram oralmente aos restantes grupos as suas conclus√Ķes que puderam ser agrupadas em 5 temas mais gerais: problemas relacionados com recolha e tratamento de lixo; problemas relativos a quest√Ķes de higiene; quest√Ķes relacionadas com a jardinagem de espa√ßos exteriores; falta de decora√ß√£o para embelezamento dos espa√ßos; problemas gerais relacionados com a melhoria de espa√ßos espec√≠ficos na escola.

Foi um bom trabalho de observação, de análise e colaboração dos elementos dos grupos, seguida de boa apresentação, desenvolvendo a competência de comunicação através da exposição das ideias.

Publicado em vegetação Natural

A Vegeta√ß√£o Natural da minha regi√£o – S√°t√£o

Nas aulas de Hist√≥ria e Geografia de Portugal, integrado no curr√≠culo da disciplina e, em articula√ß√£o com o tema proposto para o primeiro per√≠odo no Dom√≠nio de Articula√ß√£o Curricular, ‚ÄúO que nos liga ao mundo‚ÄĚ, os alunos refletiram sobre a vegeta√ß√£o natural e as amea√ßas do mundo atual. Dessa reflex√£o individual, aqui ficam alguns registos para partilha com a comunidade.

 

A vegetação natural são as plantas que nascem e crescem sem a intervenção do homem.  Na minha zona são: os pinheiros, os carvalhos, os tojos, as carquejas…

Eu como gosto da natureza tento preservá-la o máximo possível e  é por isso que eu não faço queimadas, não deito lixo para o chão, não uso químicos, rego as plantas, uso adubo biológico(estrume), em vez de adubo químico e faço reciclagem.

Eu acho que todos devem seguir o meu exemplo.

Trabalho realizado por: Isaac, 5¬ļ A

 

Espécies de vegetação natural da nossa região

Carvalho

Uma das espécies que ocupam a floresta no concelho de Sátão é o carvalho. O carvalho Quercus, é um gigante da floresta que pode viver entre 500 2000 anos. Existem dois tipos de carvalho: um de folha caduca e um de folha persistente. A madeira é dura e ao mesmo tempo maleável, sendo muito apreciada na carpintaria. O fruto do carvalho chama-se bolota, ou landes, e em seu tronco é comum a formação de bugalhos.

Ameaças ao carvalho

Phytophthora cinnamomi Rands: Afeta as ra√≠zes do carvalho. Os primeiros sintomas centram-se na parte a√©rea, uma zona na qual se observam folhas clor√≥ticas, de menor tamanho, que caem antes do outono. Quando o fungo invade mais partes, aparecem ramos mortos e as ra√≠zes apodrecem. Na √ļltima fase, o fungo provoca o desprendimento da casca da √°rvore

Castanheiros

O castanheiro √© tamb√©m predominante no territ√≥rio de S√°t√£o. √Č uma√°rvore de grande porte muito abundante no interior centro e norte de Portugal local onde se encontra o concelho de S√°t√£o. O seu fruto √© a castanha, fruto muito apreciado na √©poca dos magustos. O castanheiro produz tamb√©m madeira de excelente qualidade, o castanho, muito usada no passado na constru√ß√£o em Portugal, nomeadamente na regi√£o norte do pa√≠s. √Č ainda hoje muito utilizada em mob√≠lia e decora√ß√£o interior.

Ameaças ao castanheiro

O fungo afeta o sistema radicular, limitando ou impedindo gradualmente a circulação da seiva. Os sintomas manifestam-se inicialmente na parte superior da copa, a partir da extremidade dos ramos onde se observam cloroses e emurchecimento das folhas. Como medidas preventivas recomenda-se:

  • ¬†Melhorar o estado nutricional dos soutos ;
  • ¬†Evitar danos e cortes de ra√≠zes;
  • Utilizar equipamento adequado;
  • Plantar em terrenos com boa drenagem;
  • ¬†Evitar a utiliza√ß√£o de material vegetativo infetado e de origem desconhecida;
  • Proceder √† ¬†desinfe√ß√£o pr√©via dos instrumentos agr√≠colas.

Pinheiro-Bravo

Outra esp√©cie que existe em abund√Ęncia no espa√ßo florestal de S√°t√£o √© o pinheiro-bravo.
O pinheiro-bravo √© uma esp√©cie de pinheiro origin√°ria do Velho Mundo, mais precisamente da regi√£o da Europa e Mediterr√Ęneo. Na serra do Seixo e a serra do Facho, que se encontram muito pr√≥ximos da vila de S√°t√£o, a √°rvore predominante √© o pinheiro-bravo.

Ameaças ao pinheiro-bravo

Nem√°todo da madeira do pinheiro.
O Nemátodo da Madeira do Pinheiro (NMP), cujo nome científico é Bursaphelenchus xylophilus, é um verme microscópico causador da doença da murchidão dos pinheiros.

Ameaças às espécies de árvores da nossa região

Outras ameaças a todas estas árvores são as plantas invasoras (como por exemplo os eucaliptos e as mimosas) e os incêndios.

 

 

 

 

Eucaliptos                                                   Incêndio                               Mimosas

Trabalho realizado por: Maria, 5¬ļA

 

A vegeta√ß√£o √© um termo geral para a vida vegetal de uma regi√£o. Refere-se √†s formas de vida que cobrem os solos. √Č o conjunto de plantas nativas de certo local que se encontram em qualquer √°rea terrestre. A riqueza da vegeta√ß√£o deve-se √† diversidade de ecossistemas. Na nossa regi√£o encontramos sobretudo os carvalhos e castanheiros. Viseu tem sido apropriadamente chamada de cidade do verde pinho, por estar rodeada de muitos pinheiros.

Hoje em dia as espécies invasoras exóticas como eucaliptos e as mimosas são mais abundantes. Subsistem, no entanto, extensas manchas de vegetação autóctone, especialmente soutos de castanheiros e carvalho negral.

Podemos proteger a vegetação plantando novas árvores, não poluindo o ambiente, economizando água e energia elétrica, reciclando o lixo, entre outras atitudes e comportamentos.

Devemos proteger a vegetação porque é importante para o solo, para a alimentação de animais e ainda é moradia para diferentes espécies.

Trabalho realizado por: Martim, 5¬ļA

 

A vegeta√ß√£o natural √© aquela que nasce e cresce sem a interven√ß√£o do Homem, ou seja, em ser plantada ou semeada. Na Pen√≠nsula Ib√©rica existem v√°rios tipos de clima, cada um com o seu tipo de vegeta√ß√£o. No litoral norte (clima temperado mar√≠timo) predomina a floresta de folha caduca: castanheiro, faia, salgueiro,…

No centro ou interior (clima temperado continental) encontramos a vegetação rasteira e arbustos.

No litoral centro e sul (clima temperado mediterr√Ęneo) h√° √°rvores de folha persistente tais como a azinheira, o sobreiro, o pinheiro manso…

Para preservar a vegetação natural e para evitar problemas devemos:

  • ¬†N√£o deitar lixo para o ch√£o;
  • ¬†Plantar novas √°rvores;
  • -N√£o fazer fogueiras ou queimadas;
  • ¬†Ligar para o 117 em caso de inc√™ndio.

Por tudo o que atrás foi dito, organiza-te e prepara-te para começares a limpar a floresta!

Trabalho realizado por: Maria, 5¬ļ B

 

A vegetação natural é aquela que cresce sem a ajuda do Homem, ou seja, que não foi introduzida ou cultivada.

Em Portugal temos por exemplo o castanheiro e o salgueiro que predominam mais na zona norte, o pinheiro manso, a azinheira e o sobreiro que predominam mais a sul e sudeste e a vegetação rasteira e os arbustos mais comuns no interior.

Hoje em dia h√° pouca vegeta√ß√£o natural porque o Homem tem-na destru√≠do para fazer casas, estradas, zonas industriais…por isso, para que a vegeta√ß√£o natural n√£o acabe, devemos ter alguns cuidados como por exemplo: n√£o atirar o lixo n√£o degrad√°vel para o solo,¬† n√£o fazer fogueiras na natureza, n√£o desperdi√ßar √°gua, n√£o abater √°rvores ou florestas em situa√ß√Ķes desnecess√°rias.

Trabalho realizado por: Mafalda, 5¬ļB