Publicado em Cidadania e Desenvolvimento

6ºB – Dia da Criança – Violação dos direitos da Criança – Cidadania e Desenvolvimento

Para assinalar o Dia da Criança foi proposto à turma uma reflexão sobre situações de violência que observamos diariamente em notícias com crianças. Todos temos experiências de situações que se passam à nossa volta e de notícias que os meios de comunicação referem diariamente.

Assim num trabalho coletivo de turma, através do diálogo com os alunos, foram abordadas algumas situações que todos temos observado.

Há crianças de pais separados em que o pai não quer que fale com a mãe, ou a mãe não quer que fale com o pai. Os pais argumentam que o que foi embora de casa já não gosta da criança. (violação do artigo 9.º – separação dos pais).

O tribunal muitas vezes decide sobre a vida das crianças e ninguém falou com elas para perceberem o que pensam ou sentem. (violação do artigo 12.º – opinião da criança).

Crianças fugidas da guerra, algumas sem a família, outras crianças fugiram com o pai, deixando mãe e irmãos, sem saberem se estão vivos. (violação do artigo 22.º – crianças refugiadas).

Há pais que batem nos filhos e alguns chegam a matá-los. (violação do artigo 19.º – proteção contra maus tratos, morte e negligência).

Todos os dias, depois da escola, muitas crianças são obrigadas a ajudar os pais ou familiares a trabalhar no campo ou em outras atividades. Estas crianças não estudam nem podem brincar. (violação do artigo 31.º – lazer, atividades recreativas e culturais).

Muitas crianças sentem dificuldades na escola e às vezes não têm professores especializados para as puderem ajudar.  (violação do artigo 23.º – crianças portadoras de deficiência).

Crianças ou adultos muitas vezes tiraram fotografias com o telemóvel e agora estão na internet, (alguns amigos gozam comigo agora). (violação do artigo 16.º – proteção da vida privada).

Há crianças que esperam muito tempo para serem adotadas e, por isso, vivem em casas de acolhimento com outras crianças desde muito pequenas. (violação do artigo 21.º – adoção).

Quando há crianças, discriminadas pela cor, sexo, língua, religião ou opinião, os direitos das crianças devem ser garantidos. (violação do artigo 2.º – não discriminação).

Pais que rejeitam os filhos à nascença esquecem o direito à alimentação, habitação, assistência médica adequada, educação… (Artigos 20º e 21º – Os Estados devem perante estas situações, assegurar, uma proteção alternativa, à criança que fica privada do seu ambiente famíliar, de acordo com o interesse superior da criança).

Muitos testemunhos, foram dados pelos alunos focando violações dos direitos das crianças de casos que observam à sua volta e dos que ouvem diariamente nas notícias e que não cabem nesta reflexão que fizemos durante esta aula de Cidadania e Desenvolvimento. Todos devemos estar atentos e denunciar as situações que achamos estar a violar os Direitos das Crianças.

Publicado em Aprendizagem em Ação

6ºA – Dia da Criança – Violação dos direitos da Criança – Cidadania e Desenvolvimento

A turma do 6ªA refletiu em conjunto na aula de Cidadania e Desenvolvimento através do Meet sobre a violação dos direitos da criança no mundo, e concluiu que estes são diariamente violados com total impunidade em muitos lugares do mundo.

Diariamente nas notícias ouvimos relatos de extrema violência com crianças. Situações de guerra, problemas políticos, religiosos, pobreza extrema, falta de água, terrenos pouco férteis, falta de educação, saúde, assistência médica e fome são tantos os problemas sem solução à vista.

De entre os países mais castigados encontramos os de África como o Sudão, a Nigéria, a República Centro-Africana…guerra por questões políticas, religiosas, culturais, falta de alimentos, falta de assistência médica, educação e a escassez de água devido a condições climatérica. Estes são os principais problemas de algumas das zonas de África.

Na Ásia a Índia com uma grande densidade populacional, as crianças vivem na rua, trabalham desde pequenas para sobreviverem e ajudarem a família. Muitas crianças vivem na rua sem família, sem condições de higiene, segurança, saúde, educação…

Na China agora a lei garante a educação básica, com pais e tutores como responsáveis pelo cumprimento deste direito. Também impõe severas punições para crimes como o trabalho infantil e maus-tratos a menores. É garantido às crianças tempo para dormir, se divertirem e praticar desporto.

No Iraque, e na Síria, a guerra fez sair destes países famílias inteiras algumas crianças sozinhas já sem família. Os refugiados fugidos da guerra procuram países, lugares e famílias que os acolham. Muitas crianças atingidas pelos malefícios das guerras, sofrem de stress pós-traumático, depressão e ansiedade que dificilmente ultrapassaram.

Em traços gerais, esta foi a reflexão feita pela turma de alguns dos problemas que vemos nas notícias diariamente.

 

 

 

Publicado em Aprendizagem em Ação

Pião

O Pião é um brinquedo antigo que faz as delícias de qualquer criança.

Os piões mais simples podem ser feitos de plástico de madeira e de papel. Eles giram apenas com a força dos dedos até pararem devido ao atrito com a superfície.

Quanto mais rápido o pião estiver girando, mais equilibrado ele fica. Dependendo da superfície o pião pode não girar corretamente.

O desafio, na disciplina de Educação Tecnológica, para uma das aulas de ensino à distância, foi dar cor e movimento a dias de rotina de trabalho e estudo. A construção de um pião de papel totalmente realizado pelos alunos. Um cartão desenhado, aplicando conhecimentos de geometria e técnicas de pintura com cores bem vivas, uma caneta ou um lápis foi quanto bastou para dar vida a este pequeno objeto.

 

Vídeos 6º A [ ver ]

Vídeos 6.º B [ ver ]
 

Publicado em Aprendizagem em Ação, Uncategorized

Semana da Família – Português

Cartão Família do Município de Ílhavo | C.M. Ílhavo

Minha Família

 

Uma família é frágil

é preciso cuidar dela

mesmo se estamos longe

sabemos que não há

nada mais precioso

que o amor dela.

 

A família é a força

que nos dá a energia

para poder seguir em frente,

sem ela não há rumo

nem caminho que nos oriente.

 

A família não nasce prontaUma família no topo da colina brincando com o arco-íris - Download ...

constrói-se aos poucos.

Entre pais e filhos

aprende-se a brincar.

A família é o ambiente

mais maravilhoso para amar.

 

Há famílias com e sem

animal de estimação

Há famílias com e sem bebé,

mas nas famílias

o amor não para de crescer.

 

Na família nasço

e ela me dá carinho,

e é nela que inicio

o meu próprio caminho.

 

A família é a minha proteçãLuzes e sombras da família de hoje – Diocese de União da Vitória ...o

quero ficar com a minha irmã,

o meu pai e a minha mãe

todos sempre em união.

Matias- 6º A

 

 

 

Uma casa chamada Família

Famílias são pequenas casas

Cheias de sentimentos únicos

Existem casas de várias cores, formas e feitios.

Cada uma é moldada de acordo com quem a preenche.

 

Tal como uma casa, todas as famílias têm

Um chão que as suporta e um teto que os abriga

Chamamos-lhes pais, avós e irmãos.

Uma família é um lugar seguro

Que nos dá amor, alegria e cuidados

E nos momentos menos bons dá-nos força.

 

No mundo existem muitas casas, muitas famílias

Cada uma pinta as suas paredes como deseja

Para mim todas deviam ser coloridas e felizes

Para mim família é uma casa pintada

Com cores de amor e arco-íris

Família é a casa onde me sinto bem.

 

Mariana – 6º A

 

 

Família é sinónimo de felicidade,

Lealdade e união.

Família é aquilo que nos torna quem somos.

Ensina-nos a amar,

Dividir e compartilhar.

E a minha família ensina-me a ser uma pessoa melhor

A cada dia que passa.

   Beatriz Duarte, 6ºA

 

Poema à família

 

A família é a nossa casa

Onde podemos sempre voltar

Estamos sempre com ela

E nela podemos confiar.

A família é a coisa mais importante da minha vida

Está comigo nos momentos tristes

E nos momentos de saúde e alegria.

 

A família acolhe-nos na tristeza,

dá-nos força para a combater.

Com a minha família eu não tenho que temer.

 

João – 6º B

 

 

 Poema da Família 

A família é o porto de abrigoVídeo: comemore o Dia do Abraço com um vídeo emocionante - B2 Mídia

Que nos dá amor, afeto e proteção.

Quando alguma coisa corre mal

Um abraço apertado, aquece o coração.

 

A Mãe sempre preocupada

E com amor infinito…

O Pai sempre dedicado

Com beijinhos e carinho.

 

Quando preciso de apoio

Com os meus pais posso contar.

Não esqueço o meu Irmão

Que está sempre pronto a ajudar.

 

Avós, Tios e PrimoArtigo – Família êh! Família ah! Família – Por Isabela Almeida de ...

Com eles posso contar.

A vida faz mais sentido

Tendo-os a eles para partilhar.

 

As famílias são diferentes

A minha é a melhor.

O coração unido entre todos

Com muito carinho e amor.

 

Francisco Rodrigues- 6º B

 

Publicado em Aprendizagem em Ação

Semana da Família – HGP

Conceito de Família no Estado Novo e conceito de Família atual

 

Estado Novo – Família

  • O homem era considerado o chefe de família;
  • Apenas os homens podiam trabalhar, enquanto as mulheres serviam apenas para cuidar das casas e dos filhos;
  • O homem tinha mais direitos que a mulher;
  • As mulheres sofriam discriminação;
  • A mulher não podia sair do país, trabalhar ou abrir uma conta bancária sem autorização do marido;
  • A mulher não tinha direito ao voto.

 

 

Estado Atual – Família

  • O homem já não é considerado o chefe da família;
  • Já existe mais igualdade entre o homem e a mulher pois ambos têm as mesmas oportunidades de trabalho;
  • O salário da mulher já não é inferior em relação ao do homem;
  • As mulheres passaram a ter direito ao voto e à sua independência pessoal e social;
  • Os direitos dos cidadãos passaram a ser iguais independentemente do sexo;
  • O povo tem liberdade de expressão.

Eva, 6º B

 

As famílias durante o Estado Novo eram muito diferentes do que são atualmente.

Durante o Estado Novo cada um tinha o seu papel, dentro da família.

O homem era o chefe da família.  Ele ia trabalhar durante o dia e depois ia para casa ter com a mulher e com os filhos.

A mulher ficava em casa. Ela cuidava e educava os filhos, limpava a casa e fazia o comer. Isto, quando o marido ganhava o suficiente para sustentar a família, quando isso não acontecia, as mulheres iam trabalhar.

As mulheres não tinham direitos: mesmo que trabalhassem igual a um homem, recebiam metade do salário que o homem recebia; não podiam sair do país sem a autorização do homem; o homem podia cancelar os contratos de trabalho da mulher; o homem podia bater na mulher e não ir preso; etc.

Atualmente tanto a mulher, como o homem têm empregos e trabalham. Os filhos vão para a escola durante o dia, para aprenderem.

O chefe da família já não é só o homem, mas sim o homem e a mulher em conjunto (na maioria dos casos).

As mulheres já têm mais direitos e mais independência, recebem um salário maior (dependendo do trabalho), os homens já não podem bater nas mulheres, as mulheres já não precisam da autorização do marido para saírem do país,  etc.

 

Trabalho realizado por: Mafalda , N.º 9, 6.ºB

 

Diário de uma mulher

Segunda-feira

13 de maio de 1968

 

Estou farta desta vida. Como mulher que sou, estou sempre em segundo plano ou até em terceiro. O meu marido tem de me dar autorização para trabalhar no comércio, sair do país e até para abrir a conta bancária!

Mesmo que eu trabalhasse, sem ser nas minhas tarefas domésticas, eu receberia quase metade do salário do meu marido.

Desde pequena que fui ensinada para ser submissa ao poder patriarcal do meu pai, do meu irmão e agora do meu marido.

 

Quarta-feira

14 de maio de 2020

Hoje vejo que as mulheres e os homens têm os mesmos direitos. Todos ajudamos a pôr a mesa, a limpar o pó e outras coisas. Eu sou gerente de uma grande empresa e tenho um cargo de chefia. Nós, mulheres, podemos votar e receber um salário igual ou superior aos homens.

Mesmo assim, nem todas as famílias são felizes (umas são pobres, outras maltratam crianças).

Está na mão de todos nós ajudar as famílias que nos rodeiam a encontrar o caminho da felicidade!

Mariana Coimbra, 6ºB

 

 

Poema à Família

 

No tempo de Salazar

Não viviam como nós vivemos.

Todos queriam viver melhor

Mas nós é que vivemos!

 

Temos casa, paz e liberdade

Aos antigos isto falhava.

Temos carinho, amor e afetos

Que também a eles não faltava.

 

Nas famílias a desigualdade reinava

As mulheres e as crianças eram escravas.

Hoje, são rainhas de um belo castelo

E as crianças muito admiradas.

 

Na maioria das famílias, todos são iguais

A diferença é o sentido de união.

Agora, vivemos felizes e todos juntos

Com proteção, carinho e amor no coração!

 

Francisco Rodrigues nº 5,  6ºB