Publicado em Aprendizagem em Ação, Uncategorized

Semana da Família – Português

Cartão Família do Município de Ílhavo | C.M. Ílhavo

Minha Família

 

Uma família é frágil

é preciso cuidar dela

mesmo se estamos longe

sabemos que não há

nada mais precioso

que o amor dela.

 

A família é a força

que nos dá a energia

para poder seguir em frente,

sem ela não há rumo

nem caminho que nos oriente.

 

A família não nasce prontaUma família no topo da colina brincando com o arco-íris - Download ...

constrói-se aos poucos.

Entre pais e filhos

aprende-se a brincar.

A família é o ambiente

mais maravilhoso para amar.

 

Há famílias com e sem

animal de estimação

Há famílias com e sem bebé,

mas nas famílias

o amor não para de crescer.

 

Na família nasço

e ela me dá carinho,

e é nela que inicio

o meu próprio caminho.

 

A família é a minha proteçãLuzes e sombras da família de hoje – Diocese de União da Vitória ...o

quero ficar com a minha irmã,

o meu pai e a minha mãe

todos sempre em união.

Matias- 6º A

 

 

 

Uma casa chamada Família

Famílias são pequenas casas

Cheias de sentimentos únicos

Existem casas de várias cores, formas e feitios.

Cada uma é moldada de acordo com quem a preenche.

 

Tal como uma casa, todas as famílias têm

Um chão que as suporta e um teto que os abriga

Chamamos-lhes pais, avós e irmãos.

Uma família é um lugar seguro

Que nos dá amor, alegria e cuidados

E nos momentos menos bons dá-nos força.

 

No mundo existem muitas casas, muitas famílias

Cada uma pinta as suas paredes como deseja

Para mim todas deviam ser coloridas e felizes

Para mim família é uma casa pintada

Com cores de amor e arco-íris

Família é a casa onde me sinto bem.

 

Mariana – 6º A

 

 

Família é sinónimo de felicidade,

Lealdade e união.

Família é aquilo que nos torna quem somos.

Ensina-nos a amar,

Dividir e compartilhar.

E a minha família ensina-me a ser uma pessoa melhor

A cada dia que passa.

   Beatriz Duarte, 6ºA

 

Poema à família

 

A família é a nossa casa

Onde podemos sempre voltar

Estamos sempre com ela

E nela podemos confiar.

A família é a coisa mais importante da minha vida

Está comigo nos momentos tristes

E nos momentos de saúde e alegria.

 

A família acolhe-nos na tristeza,

dá-nos força para a combater.

Com a minha família eu não tenho que temer.

 

João – 6º B

 

 

 Poema da Família 

A família é o porto de abrigoVídeo: comemore o Dia do Abraço com um vídeo emocionante - B2 Mídia

Que nos dá amor, afeto e proteção.

Quando alguma coisa corre mal

Um abraço apertado, aquece o coração.

 

A Mãe sempre preocupada

E com amor infinito…

O Pai sempre dedicado

Com beijinhos e carinho.

 

Quando preciso de apoio

Com os meus pais posso contar.

Não esqueço o meu Irmão

Que está sempre pronto a ajudar.

 

Avós, Tios e PrimoArtigo – Família êh! Família ah! Família – Por Isabela Almeida de ...

Com eles posso contar.

A vida faz mais sentido

Tendo-os a eles para partilhar.

 

As famílias são diferentes

A minha é a melhor.

O coração unido entre todos

Com muito carinho e amor.

 

Francisco Rodrigues- 6º B

 

Publicado em O que nos liga ao mundo, Uncategorized

Português- 6º A e 6º B – Oficina de Escrita- Descrição de espaços

Os alunos foram convidados a escrever um pequeno texto, descrevendo o espaço que os rodeava e o que podiam observar da sua janela.

Na descrição do espaço deviam usar alguns recursos expressivos, as sensações e, de alguma forma, referirem o que ouviam, sentiam, pensavam…

Divulgamos os textos escolhidos pelos alunos da turma.

 

No 6º A…

Da minha janela vejo um espaço muito bonito.

À primeira vista o verde da Serra do Sátão predomina na paisagem.

Vejo alguns prédios e casas que ocupam a zona onde vivo. De vez em quando, os corvos sobrevoam e pousam nos telhados. Quando emitem sons parecem estar a reclamar comigo.

Nestes últimos dias, em que há pouco movimento nas ruas, ouço o barulho dos pássaros, de muitas andorinhas, e, às vezes, o vento a abanar as árvores em redor da minha casa.

Quando saio para a varanda as andorinhas parecem querer arrancar-me os cabelos.

Gosto do lugar onde vivo, apesar de que, nestes dias de isolamento, gostava que a minha casa tivesse um jardim e um quintal para poder brincar na rua. Sinto-me um bocado prisioneiro…

Filipe Almeida

 

Da minha varanda vejo uma floresta, um amplo arvoredo verdejante, repleto de pinheiros e carvalhos com copas altas onde os passarinhos pousam para repousar.

No lado sul, alguns telhados avermelhados despontam no meio das árvores. No limite da vegetação corre um pequeno ribeiro ladeado de lages onde eu costumo ir caminhar.

Esta floresta alegra a minha aldeia.

Isaac Fonseca

 

 

 

Olhando pela janela vejo um enorme jardim dividido ao meio por um estreito passeio de paralelos. Do lado direito do jardim existe um medronheiro, dois azevinhos, uma laranjeira, um limoeiro, uma tangerineira, um abrunheiro, umas belas coroas de rei e uns lindíssimos gladíolos. Junto ao muro existe uma linda fila de cedros verdes e bonitos.

Do lado esquerdo há á um largo caminho de paralelos que termina num portão. Ao longo desse caminho há um canteiro com jarros, um tronco de castanheiro seco, que tem um ar muito engraçado e junto das suas raízes umas pequeninas hortênsias que ainda não têm flor, mas que dão um ar muito engraçado ao canteiro. Existem também uma belas rosas que no verão quando caem enchem o chão de pétalas e fica tudo a parecer ser mágico.

Para lá do muro, e da fila de cedros, avisto uma mata com belas árvores, carvalhos, cerejeiras, eucaliptos, pinheiros e castanheiros…, é tanta vegetação bela para observar e tanto ar puro para respirar!

No jardim há sempre pássaros a passear, alguns parece que estão a jogar às apanhadas. Por vezes, também aqui vem o gato da vizinha, dá uns passeios, brinca connosco e volta para sua casa.

Sinto-me tão bem aqui!

Maria Gomes

 

  

A minha casa fica numa rua sem saída, rodeada de várias casas quase todas iguais, todas elas com lindos jardins perfumados e com um pequeno parque no final da rua que tem duas mesas de pedra e algumas árvores.

A frente da casa está virada para a Serra do Sátão, repleta de grandes pinheiros verdes iluminados pelos raios de sol, onde fica a antiga casa do guarda-florestal. Daqui conseguimos ouvir o pequeno riacho que passa entre moinhos degradados. A paisagem é salpicada por outras casas, alguns castanheiros e campos de cultivo.

Da janela do meu quarto vejo a casa e o quintal da minha vizinha, onde ela tem batatas, cebolas, feijão, couves, alfaces, cenouras, algumas oliveiras e cerejeiras das quais já tive o privilégio de me deliciar com as suas cerejas vermelhas e docinhas. Também vejo bastantes casas e prédios da parte de baixo da vila de Sátão.

Sinto-me privilegiada com a bela paisagem que rodeia a minha janela, tenho um bocadinho de tudo e até consigo ouvir o chilrear de vários tipos de pássaros.

Rafaela  Amaral

 

 

No 6º B…

 

Da minha janela observo um jardim pequeno, mas cheio de flores:  lírios, jarros, coroas, roseiras e muito mais.

O jardim está cercado por uma grade e em cima de um muro. Esse muro pequeno   está coberto de musgo.

Do lado esquerdo desse jardim, vejo um portão grande e verde, uma oliveira e um caminho de relva.

Quando olho, deparo-me com um solar velho, mas cheio de história. Este solar apresenta-se com vidros partidos, portas de madeira como se tivessem sido derrubadas, telhas partidas, umas grandes escadas e, o principal, que se destaca dessa imagem, o brasão da família Machado.

Rita Arrais

 

Estou sentada na minha secretária, a trabalhar, e observo livros à minha volta, muitos livros.

Mesmo ao lado da minha secretária está a minha varanda, semiaberta, com cortinados cor-de-rosa, que esvoaçam com a leve brisa do vento. Da minha varanda, consigo ver a minha escola, vista daqui é muito maior do que imaginava, há muitas árvores e ouço pássaros a cantar.

Um bocado mais ao lado, tenho o meu armário que está a ser desenhado/pintado por mim, para ocupar o tempo. Ao lado do armário está a minha cama (que chia muito), seguida pelo meu poof cor-de-rosa e as minhas estantes brancas.

Nas minhas estantes tenho um coelho de peluche com um alfinete, vários perfumes e uma caixa de música. Quando a abro e giro um pequeno objeto, começa a tocar uma música e uma bailarina começa rodopia ao som dessa melodia.

Perto de mim tenho um móvel para guardar roupas e em cima dele estão guardados alguns trabalhos da escola: um comedouro de pássaros, fichas e uma caixa com o desenho de uma flor que tem colares e pulseiras.

Mariana Coimbra

 

 

Estou no meu quarto. O meu quarto é grande e espaçoso. À frente da porta, há uma grande janela, com muita luz, uma secretária branca e uma cadeira; do lado esquerdo há um espelho, um bengaleiro e dois pequenos quadros, de infância na parede; do lado direito há um grande armário. À frente do armário está uma cama branca, muito confortável com uma colcha cor-de-rosa, e duas mesinhas de cabeceira ao lado, cada uma com um candeeiro.

Da minha janela vejo várias casas, muita vegetação, desde árvores a flores e o céu com várias nuvens.

Ouço o barulho da televisão da sala, do computador a trabalhar e o som que faço quando toco nas teclas do computador.

Sinto-me relaxada, concentrada e alegre.

Mafalda Frias

 

 

Estou em minha casa e da minha janela vejo o meu jardim.

Vejo, na relva verde, as primeiras flores da primavera a começarem a crescer, muito belas e perfumadas e, logo a seguir, o meu parque com o pequeno escorrega, três baloiços, um banco de madeira e uma rede pendurada em dois postes de madeira.

No céu azul, veem-se nuvens enormes e um sol amarelo e brilhante.

Vejo também as minhas árvores, todas elas de diferentes frutas, limões, laranjas, maçãs, romãs, cerejas e muitas mais.

Ouço o som dos pássaros a voarem e o dos tratores a trabalharem nas terras.

Penso que está um lindo dia de primavera. Sinto-me feliz e apercebo-me de que a vista da minha janela é maravilhosa.

 

Maria Granja

  


Profª Rosa Quinteiro

Publicado em Uncategorized

Desenvolvimento sustentável e biodiversidade

Os alunos trataram o desenvolvimento sustentável, analisando ameaças à biodiversidade e alertando para a necessidade de preservar os ecossistemas e sua biodiversidade. Na saída de campo tivemos oportunidade de observar a natureza e a necessidade de a preservar cuidando assim na nossa “Casa Comum”. Os alunos realizaram diversos tipos de animais domésticos e selvagens alguns destes em perigo de extinção, com a técnica do origami.

dav
dav
Publicado em Uncategorized

“Land Art” – alunos do 6º A e B

No âmbito das disciplinas de EV e ET os alunos realizaram trabalhos de “Land Art” duram a saída de campo realizada no dia 23 de outubro.

“Land Art” foi um movimento artístico pautado na fusão na natureza com a arte. Ele surgiu na década de 60 nos Estados Unidos e na Europa.

O termo “land art”, se traduzido, corresponde a “arte da terra” e tem como principal característica a utilização de recursos provenientes da própria natureza para o desenvolvimento do produto artístico.

Os artistas dedicados a essa estética buscavam na natureza a reflexão sobre o fazer artístico. Eles utilizavam, dentre outros materiais, folhas, madeira, galhos, areia, rocha, sal etc…

O intuito era chamar atenção para a grandiosidade da natureza como local central de experimentação artística, bem como para a ocorrência da efemeridade dessa arte.

Importante destacar que, ao contrário da arte exposta nos museus, a land art propõe ultrapassar as limitações do espaço tradicional ao sair deles. Assim, ela é realizada em espaços exteriores e, devido as suas grandes dimensões, só é possível conhecê-las dentro de um museu por meio de fotografias.

Sendo a natureza o local de desenvolvimento dessa tendência da arte contemporânea, a arte pode surgir nos mais variados espaços naturais tais como campos, praias, mares, lagos, lagoas.

Os professores de EV e ET desafiaram os alunos a realizar uma “Land Art” na sua saída de campo. No local que acharam adequado e utilizando os elementos que no local encontraram, realizaram verdadeiras obras de arte.

All-focus


dig
All-focus